Colesterol alto na infância

 

Há alguns meses, eu fui surpreendida com a notícia de que a Elis está com o colesterol alto, logo ela que é bem magrinha. Para entender melhor sobre o assunto, eu entrevistei a nutricionista infantil Larissa Macedo, da clínica pediátrica Lamvie. Confira!

O que é colesterol alto e quais os tipos?
Colesterol é uma gordura que em quantidades adequadas é importante para o funcionamento do corpo. Aliás, nosso corpo produz colesterol e o restante é adquirido por meio da alimentação. O aumento dos níveis de colesterol é chamado de dislipidemia, quando os valores estão fora dos valores de referência para idade.
Tipos de colesterol, mais conhecidos:
Colesterol total: este valor indica a quantidade total de colesterol no sangue, ou seja, a quantidade de colesterol HDL + LDL;
Colesterol HDL: é conhecido como o tipo “bom” de colesterol, pois está ligado a uma proteína que o transporta do sangue para o fígado, onde é eliminado nas fezes, caso esteja em excesso;
Colesterol LDL: é o popular colesterol “ruim”, que está ligado a uma proteína que o transporta do fígado para as células e veias/artérias onde acaba se acumulando (placas de aterosclerose) que dificultam o fluxo sanguíneo para órgãos essenciais como coração e cérebro, aumentando risco de infarto e acidente vascular cerebral.
Lembrando que os triglicerídeos, são a reserva de energia do corpo humano. Eles têm a função de fornecer “combustível” para os músculos. Quando os triglicérideos não são usados como forma de energia, passam a ser armazenados no corpo, no tecido adiposo, como gordura.

Quais as causas do colesterol infantil?
Crianças e adolescentes podem ter o colesterol alto e inclusive, tem sido cada vez mais comum. Principalmente por maus hábitos alimentares, mas também do sedentarismo, da herança genética (hipercolesterolemia familiar) ou de causa secundária (obesidade ou alguma medicação por exemplo).

O que as crianças com colesterol alto não podem comer?
A regra da alimentação nesse caso, é: evite, prefira e modere.
Alimentos que devem ser evitados:
Os alimentos ricos em colesterol são especialmente os de origem animal, ricos em gordura saturada: como a gema do ovo, manteiga, carne de boi ou miúdos como fígado, coração por exemplo.
Peixe frito, carnes à milanesa, batata frita, coxinha (frituras);
Salsicha, salame, bacon, torresminho;
Chocolate, bebidas achocolatadas, bolachas e tortas;
Leite integral, leite condensado, queijos amarelos, creme de leite, receitas com creme de leite/nata/chantilly, sorvete e pudim.

Colesterol alto é reversível ou é uma doença para vida inteira?
Nos casos de origem genética há controle com medicamentos, alimentação e atividade física. Nos casos de erro alimentar, a reeducação alimentar e a atividade física ajudam a controlar. O endocrinologista e os exames de sangue conseguem rastrear se é por origem genética ou comportamental. E assim, se pode ser reversível.

Porque crianças magras e com baixo peso podem ter colesterol alto?
Porque a alimentação dessas crianças geralmente não é uma alimentação saudável, em termos de qualidade. Magreza nem sempre é sinônimo de saúde. São crianças que comem pouco, mas uma alimentação rica em gordura saturada, pobre em gordura insaturada, com baixo consumo de frutas, vegetais, legumes e alimentos integrais. Rica em produtos industrializados, fast food (carboidratos gordurosos).

Além da alimentação, quais medidas podem ser tomadas para diminuir o colesterol alto?
Hábitos saudáveis (como aumentar a ingestão de água), atividade física e medicação, se necessário. A formação do colesterol dependerá da genética, do estilo de vida, da prática de atividade física e da alimentação.

Se não cuidar, quais as consequências do colesterol alto?
Níveis elevados de colesterol estão associados a doenças coronarianas e aterosclerose. É o endurecimento das paredes dos vasos causado pela deposição de gordura e colesterol e consequentemente, infarto, pressão alta…
O tratamento visa prevenir doenças cardiovasculares quando se tornarem adultos. E, hábitos saudáveis são a melhor forma de elevar o bom colesterol e diminuir o ruim. Lembrando que o colesterol alto não apresenta sintomas, sendo diagnosticado apenas através do exame de sangue.

Preconiza-se que a ingestão de colesterol diária seja restrita a 300 mg/dia e que as gorduras representem de 20 a 35% da ingestão energética total (< 10% gordura saturada e < 1% gordura trans) em crianças maiores de 2 anos.

Você também pode gostar de ler