Dicas para o desmame do aleitamento materno

Foto: Sanfer Fotografia

No começo de maio, nós completamos dois anos de amamentação em livre demanda. Sinto o meu dever como mãe cumprido com louvor e digo isso por que nem tudo foram flores. Embora amamentar tenha sido uma experiência impar no quesito de ser alimento exclusivo e aconchego, tiveram também momentos de exaustão e dor.
Em minha opinião, amamentar é um nobre ato de amor, é doação, é um laço e um privilégio. Foi muito bom poder acolher em meus seios a minha preciosa herança e eu sou extremamente grata a Deus pela oportunidade de poder ter cuidado dela integralmente e ter conseguido amamentá-la por tanto tempo.

Chegou a hora de começar a pensar de fato no desmame e de romper esse laço que nos une de maneira singular. Eu e ela precisamos desse amadurecimento.
E quando eu comecei a pensar no assunto, tive algumas dúvidas. Para saná-las eu conversei com duas profissionais da Policlínica Lamvie a Isabella Bassetti, Psicóloga Infantil e a Larissa Macedo, Nutricionista Materno Infantil. Confira as entrevistas.

Orientações da Psicóloga Infantil Isabella Bassetti

Como iniciar o desmame sem que a criança se sinta desprotegida ou abandonada?
Costumo dizer que existem dois tipos de desmame, o desmame definido pela criança e o desmame definido pela mãe.
Quando a criança começa demonstrar menos interesse pelo leite materno, ou seja, a criança começa dar sinais de inquietações durantes as mamadas, preferência por alimentar-se com outros alimentos, mamadas mais espaçadas, são sinais que podem indicar que está preparada para o desmame, que acontece de maneira gradual e sem dificuldades.
No entanto, nem sempre as crianças demonstram esses sinais, fato que acaba fazendo com que muitas mães tomem essa decisão. Nesses casos, é importante que a mãe leve em consideração que este é um momento delicado para a criança, exige paciência e pode demorar algum tempo, variando de criança para criança.

É melhor fazer o desmame gradativo ou fazer de uma vez?
Sabemos que o ato de amamentar trás inúmeros benefícios tanto para o bebê quanto para a mãe. O processo da amamentação vai além da nutrição e a saúde física, envolvem também aspectos emocionais. Quando o bebê está sendo amamentado, ele tem a oportunidade de vivenciar momentos que desenvolvem e fortalecem o vínculo com a mãe, ato que promove autoestima, segurança e bem estar.
O ideal é que o desmame ocorra de maneira gradual, pois como eu disse a amamentação não está ligada apenas aos aspectos alimentares, mas também aos aspectos emocionais da criança relacionados a um valor afetivo.
É importante que a mãe tente distinguir o motivo que leva a criança a querer o seio. Isso quer dizer, a criança está com fome? Ou ela está procurando carinho, colo, aconchego? Desenvolver outras formas de afeto entre a mãe e o filho é muito importante para que criança não se sinta desprotegida e abandonada, pois o carinho e o amor não é apenas intermediado pelo seio, então deixar isso claro para seu bebê fará com que esse momento seja menos abrupto para ele.

Como posso lidar com meus sentimentos ao vê-la chorar e pedir o peito?
É importante que as mamães levem esse processo como um impulso natural em que a criança deverá passar. O desmame não significa o fim da intimidade afetiva que você estabeleceu com seu bebê, mas sim um passo muito importante em direção à autonomia, fato que contribui para o desenvolvimento saudável da criança.

 

Orientações da Nutricionista Materno Infantil Larissa Macedo

Do seu ponto de vista, é melhor fazer o desmame gradativo ou fazer de uma vez?
O ideal é fazer de maneira gradativa com a mãe se sentindo bem e segura com a decisão. O desmame vai ocorrer substituindo uma mamada por algum alimento, ou mamadeira, ou copo, dependendo da idade do bebê. A mãe deverá readequar a amamentação, limitando a disponibilidade do peito, só antes de dormir, ou quando ‘combinar’ com a criança, não gerando assim frustração ou insegurança.

No caso da minha filha (dois anos de idade) que não pegou mamadeira, há necessidade de substituir o leite materno por fórmula?
No caso da filha, que já tem dois anos, não há a necessidade de substituir o leite materno por fórmula infantil, pois as fórmulas infantis são utilizadas até o um ano de vida.

Como suprir o cálcio do leite materno após o desmame?
Após desmame do leite materno o cálcio virá da alimentação e no caso, a criança com dois anos já está comendo a comida da família. Uma maneira de suprir esse nutriente são os derivados do leite, como iogurtes, vitaminas e queijos que costumam agradar a garotada.

Bebês devem mamar leite artificial até que idade?
O leite artificial (fórmula infantil) deve ser dado até um ano de idade. A partir disso, temos algumas opções:
– leite de vaca;
– leites de crescimento ou das fórmulas número três.
Peça ao profissional que acompanha o bebê para avaliar o restante da alimentação dele e juntos tomem a decisão de qual o melhor leite ofertar.

As fórmulas tentam se assemelhar ao leite materno, mas não o substituem fielmente. O leite materno é sempre a melhor opção.

Um último lembrete: dos seis aos 12 meses, a alimentação complementa a amamentação e dos 12 meses em diante, a amamentação complementa a alimentação.

 

Você também pode gostar de ler