Marcos do desenvolvimento da fala

Foto: Brenna Codonio

Há pouco tempo, a Elis começou a juntar as palavras, mas antes de completar dois anos, ela não falava tantas palavras, como fala agora. Conheço bebês que falaram e formaram frases bem mais novos do que ela. Mas se tem uma coisa que a maternidade me ensinou na prática é que cada ser humano é único. Cada bebê tem o seu tempo e comparar o desenvolvimento deles é um erro nosso. Primeiro por que nos deixa preocupadas pela possibilidade de algo estar errado, depois por que nos deixa com sentimento de culpa por não fazer o “estímulo correto”.
Mas para sabermos melhor quais os marcos de desenvolvimentos da fala, eu entrevistei a Dra Bianca Cavichiollo, pediatra da Clínica Lamvie. Confira!

Quais os marcos do desenvolvimento da fala do bebê?
A fala ou a linguagem é muito mais do que apenas palavras. Nós começamos a falar por meio de gestos e aos poucos esses vão se tornando palavras. Os primeiros sinais de que a criança está desenvolvendo a linguagem são justamente os gestos, como acenos e abanar a cabeça. Ou seja, ela já entende o que está sendo solicitado e perguntado e responde a esses estímulos de forma coerente. A partir daí, normalmente por volta do primeiro ano, inicia-se o balbucio ou a lalação, que são aqueles sons silábicos (dada, papa, mama). Ao redor do segundo ano a criança já imita atos e palavras, é a fase do “papagaio”. Ela já consegue juntar duas palavras (“quer isso”, “tudo bem”), aponta figuras em um livro e fala ao redor de 20 palavras. Aos três anos ela já fala frases, segue instruções corretamente e mais de 50% do que fala é entendido pelas outras pessoas. Aos quatro anos a criança já forma estruturas complexas de linguagem e é 100% compreendida.

Como estimular o bebê a falar? Pode nos passar dicas.
O estímulo da fala deve ser feito desde o nascimento. Conversar com seu bebê olhando para ele é fundamental. Os movimentos da boca dos papais aos poucos vão sendo assimilados pelos bebês e eles vão reproduzir isso no futuro. Portanto, a conversa é super importante. Outra dica super interessante é o uso de livros. Ler para seu filho desde cedo é essencial para que ele correlacione as palavras com as figuras e mais do que isso, para que ele adquira o hábito da leitura desde a infância. Pegue o livro e mostre pra ele as figuras, diga o que são e solicite que ele as repita, ou pergunte a ele o que ele vê nas páginas. Nomeie os objetos quando saírem para um passeio e solicite que ele te ajude nesta tarefa (“o que é isso? Uma árvore?”). Caso a criança fale a palavra errado não a reprima, apenas repita a palavra corretamente para que ela assimile o certo. Ou seja se ela falar “quer áuwa”, olhe para ela e diga: “quer água? A mamãe ou o papai vão te dar água”.

A partir de que idade pode-se considerar que há atraso na fala?
De acordo com os marcos já citados anteriormente podemos afirmar que, caso eles não estejam presentes, há atraso na fala. Portanto, uma criança de um ano que não compreende o que é pedido e que não balbucia, tem atraso, bem como se uma criança de 2 anos não fala cerca de 20 palavras e não consegue juntar duas palavras também podemos considerar um atraso.

Em que situações será necessário agendar consulta com fonoaudiólogo ou neurologista para investigar atraso na fala?
A partir do momento que identificamos o atraso em um desses marcos devemos prosseguir com uma investigação com exames neurológicos e já iniciar os estímulos com a fonoaudiologia. Os atrasos na fala podem se dever a problemas na estrutura cerebral, problemas auditivos, problemas na estrutura bucal (língua, palato), ou problemas psicológicos. Então, quando identificamos um atraso de linguagem devemos fazer uma investigação ampla. Iniciamos com avaliação auditiva e avaliação da boca e língua para descartar malformações. Após, avaliamos a estrutura familiar, estímulos que a criança recebe e seu comportamento, e por fim descartamos possíveis lesões cerebrais. O tratamento varia de acordo com a causa, mas quanto mais precoce identificarmos o problema antes conseguiremos intervir e melhorar a linguagem e consequentemente a qualidade de vida dessa criança e de toda a sua família!

Dica: troque televisão, tablets e celulares por livros! Isso vai contribuir muito com a linguagem dos seu filhos.

Você também pode gostar de ler